jusbrasil.com.br
30 de Junho de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Tribunal Regional Federal da 5ª Região TRF-5 - AG: AG 08062273020194050000

Detalhes da Jurisprudência

Processo

AG 08062273020194050000

Órgão Julgador

1º Turma

Julgamento

25 de Setembro de 2019

Relator

Desembargador Federal Élio Wanderley de Siqueira Filho
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Ementa

PROCESSUAL CIVIL E CONSTITUCIONAL. AGRAVO DE INSTRUMENTO. PORTADORA DE MIELOMA MÚLTIPLO (CID 10 C90-0). FORNECIMENTO DOS MEDICAMENTOS IXAZOMIBE E LENALIDOMIDA. POSSIBILIDADE. EFICÁCIA DO FÁRMACO COMPROVADA. DIREITO À VIDA E À SAÚDE. COMPETÊNCIA SOLIDÁRIA DOS ENTES FEDERATIVOS.

1. Insurge-se a UNIÃO em face da decisão, que, nos autos da ação ordinária de origem, deferiu tutela provisória de urgência para que o ente público, o ora agravante,"adote as medidas necessárias ao fornecimento gratuito dos medicamentos Ixazomibe (Ninlaro 4mg - na posologia de 01 cápsula via oral uma vez por semana nos dias 1, 8 e 15 - 01 caixa por mês) e Lenalidomida (Revlimid 10mg - na posologia de 01 cápsula via oral uma vez ao dia por 21 dias - 01 caixa por mês), enquanto perdurar a necessidade de uso dos medicamentos, conforme prescrição médica apresentada no id 4058200.3691731)" 2. Com efeito, o direito à vida, à saúde e à dignidade da pessoa humana é garantido constitucionalmente, sendo dever do Estado em qualquer esfera, seja Federal, Estadual e Municipal, adotar medidas para a sua garantia. Além disso, é solidária a responsabilidade pela efetivação do direito à saúde (art. 23, inciso II, da CF), o que implica não apenas na elaboração de políticas públicas e em uma consistente programação orçamentária para tal área, como também em uma atuação integrada entre tais entes, que não se encerra com o mero repasse de verbas. 3. Sobre o assunto, o Egrégio STF já firmou orientação jurisprudencial, na STA nº 174, que teve, como Relator, o Ministro Gilmar Mendes, no sentido de que, embora a regra geral seja privilegiar o tratamento fornecido pelo ente público, não deve prevalecer quando comprovada a ineficácia ou a impropriedade da política pública de saúde existente. 4. In casu, a autora é portadora de mieloma múltiplo (CID 10 C90-0) e já se submeteu à quimioterapia com as drogas ciclofosfamida, talidomida e dexametasona. Foi também encaminhada para transplante de medula óssea, entretanto, o mesmo não foi realizado em razão de sua idade e suas condições físicas. Demais disso, nas bulas dos medicamentos NINLARO e REVLIMID, solicitados nos autos, há indicação para o uso, em combinação com lenalidomida e dexametasona, para tratamento de pacientes com mieloma múltiplo, que receberam, pelo menos, um tratamento anterior e não podem ser tratados com transplantes da medula óssea. É o caso dos autos. Por fim, restou comprovado que tais medicações são aprovadas pela ANVISA e a autora não dispõe de condições financeiras para arcar com os custos dos medicamentos prescritos. 5. Destarte, verifica-se que houve a juntada de laudo médico circunstanciado e subscrito por médico especialista, indicando o medicamento, e a comprovação da ineficácia de fármacos fornecidos pelo SUS, da hipossuficiência da parte autora e do registro do medicamento solicitado pela ANVISA, de modo que restam atendidos os requisitos estabelecidos pela Corte Superior. 6. Agravo de instrumento não provido.

Decisão

UNÂNIME

Veja

  • STA 174 (STF)
    • APELREEX 32458 (TRF5)
      • APELREEX 31880 (TRF5)
        • PJe 08082108920164058400 (TRF5)
          • PJe 08155587020184050000 (TRF5)

            Referências Legislativas

            Observações

            PJe
            Disponível em: https://trf-5.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/927919947/ag-ag-8062273020194050000

            Informações relacionadas

            Tribunal Regional Federal da 4ª Região
            Jurisprudênciahá 2 anos

            Tribunal Regional Federal da 4ª Região TRF-4 - AGRAVO DE INSTRUMENTO: AG 504XXXX-72.2020.4.04.0000 504XXXX-72.2020.4.04.0000

            Superior Tribunal de Justiça STJ - AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL: AREsp 1816777 RJ 2021/0003045-6

            Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul
            Jurisprudênciahá 10 anos

            Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul TJ-RS - Agravo de Instrumento: AI 70048492656 RS

            Tribunal de Justiça de São Paulo
            Jurisprudênciahá 2 anos

            Tribunal de Justiça de São Paulo TJ-SP - Apelação Cível: AC 102XXXX-23.2019.8.26.0100 SP 102XXXX-23.2019.8.26.0100

            Tribunal de Justiça do Mato Grosso
            Jurisprudênciahá 3 anos

            Tribunal de Justiça do Mato Grosso TJ-MT - AGRAVO DE INSTRUMENTO: AI 100XXXX-45.2019.8.11.0000 MT